Só mais “um cachorro”?

flok

Pra muita gente, ele foi “só um cachorro”. Pros antigos donos, que tiveram a coragem de largá-lo no meio de uma rua movimentada de carros pra morrer. Pras pessoas que passaram por ele, vagando pelo estacionamento do supermercado da rua, procurando por comida, e nada fizeram. Pra veterinária do petshop do mercado, que me olhou com a cara mais estranha do mundo e disse: “Mas você vai levar ele pra casa?”, como se ela achasse que ele não merecesse isso. Pra senhora que me contou que sabia onde o dono morava, e que ele tinha mesmo largado o cachorro na rua porque não o queria mais.
Pra todas as pessoas do mundo que amam seus cachorros, mas viram a cara quando passam por um na rua. Preferem não ver, fechar os olhos e torcer para que alguém faça alguma coisa. O problema, pessoa, é que pouca gente faz.
Dizer que ama seu próprio cachorro é fácil, afinal, ele custou uma grana no canil, né? Ou você adotou quando ele ainda era um filhotinho fofinho e criou amor por ele.
Não duvido. Não mesmo. Acredito no seu amor genuíno pelo seu animal. Só me pergunto se você ama os ANIMAIS, como gosta de dizer, ou se ama o SEU ANIMAL.
Existe uma grande diferença aí.
E tenho cruzado essa linha tênue muitas vezes na minha vida. De novo e de novo e de novo. A partir do momento em que eu amei meu primeiro irmão menor, alguma coisa dentro de mim mudou e eu não sou mais capaz de ignorar.
O Floquinho foi uma dessas vezes. Ele estava lá, perambulando por uma rua cheia de carros apressados de gente que provavelmente tinha um cachorro em casa, ou um gato, ou um hamster, mas que não faziam a menor questão de olhar para aquele cachorro desnorteado no meio da rua.
“É só mais um cachorro”, tenho certeza que responderiam se eu tivesse perguntado.
Mas ele não era só mais um cachorro, pelo menos não pra mim.
Levei pra casa, cuidei e minha mãe se apaixonou por ele. Soube então que fui uma ponte entre duas almas que precisavam se encontrar, e minha missão pareceu ainda mais cumprida.
Floquinho já era velhinho, tinha artrite, artrose, uma pata quebrada que calcificou errada na rua e que o fazia mancar e sentir dores, ele já estava ficando cego e meio surdo, mas amou todos que passaram por ele da forma mais pura possível. Minha mãe, meu pai, meu irmão, 4 gatos, todo mundo. Era o cachorro mais amigável que já vi, e também muito feliz, apesar de tudo que já tinha passado. Nós fizemos de tudo para que ele tivesse uma velhice saudável. Castramos, fizemos acupuntura para amenizar as dores na perna, levamos pra viajar…Foi um cachorro feliz, pelo menos em uma parte da vida. Que tenho certeza absoluta que compensou a parte triste. Espero, do fundo do meu coração, que no momento em que partiu desse mundo, ele só tenha levado as memórias boas que teve com a gente, e que a parte do descaso e do abandono que sofreu tenha sido apagada pra sempre.
Ele merece, foi um cachorro sensacional. Não foi só mais “um cachorro”, foi “O cachorro”, e sabem por que?
Porque demos a oportunidade a ele de ser. E no fim, precisamos mais dele do que ele de nós. E ficamos aqui, com o coração partido, e muita gente pode não entender a intensidade disso tudo. Também não vou me preocupar em explicar.
Só quem sente, sente. Só que ama, ama.
Só quem já sentiu o amor de um cachorro sabe do que eu tô falando.
Até a próxima, Floquinho! Tenho certeza de que não vai demorar.
Vai em paz. Mas volta logo. Você sabe onde nos encontrar.

Comentários

comentários

10 comentários sobre “Só mais “um cachorro”?

  1. Que lindo!!! Li com lágrimas nos olhos. Realmente, todos os animais merecem uma chance de serem amados. E só quem ama de verdade um animal entende a dor que sentimos quando eles nos deixam.

  2. que lindo, me emocionei. Também levaria todos os cachorros para casa se eu pudesse! <3 Com certeza oq vcs fizeram foi menos do bem q ele fez pela sua família!

  3. Muito linda a sua história com o Floquinho, ele teve sorte de cruzar com alguém como vc, e imagino a dor da sua perda… Esses bichinhos mudam nossa vida.

    Mas acho essa questão complicada. Admiro quem leva animal de rua pra casa, mas eu nunca fiz isso. Adoro vira-latas, sou contra a compra de animais, não é essa a questão, a questão é que já tenho cachorros e não tenho como cuidar de todos que aparecem, infelizmente.

    Tenho uma amiga que vive pegando cachorro e gato na rua, não consegue conseguir dono pra eles e acaba ficando… Já está com 5 cachorros e vários gatos e agora precisa se mudar pra um apartamento e não sabe o que fazer.

    A gente acaba ignorando cachorrinhos de rua, assim como ignoramos pessoas de rua… Pessoas. E a vida é assim, vivemos ignorando muitas coisas horríveis que acontecem. Não acho certo julgar, assim como não acho certo falar em “amor pelos animais”, quando na verdade esse amor é seletivo e abrange apenas os animais domésticos. E isso é o que eu mais vejo: gente atacando pessoas na defesa de cachorros e gatos, mas não dando a mínima pra animais silvestres ou animais de abate.

    Desculpe meu comentário, não tenho a intenção de causa discórdia, e espero que o tempo alivie a dor da perda do seu cãozinho querido.
    Um beijo e fique bem.

  4. Impossível não chorar…
    Temos, aqui em casa, três cães e três gatos adotados, e temos a certeza que a vida não seria tão feliz sem eles.
    E vcs fiquem com a certeza que fizeram o Floquinho muito, mas muito feliz e vice versa.
    Beijos

  5. Olá Manu. Fiz um comentário no seu post do dia 4/10/2015 contando a vinda de uma cadelinha , que foi rejeitada, aqui pra casa: Tetê. Pois ela também foi embora há 1 mês. Teve colapso de traquéia e nos deixou em 5 dias.A casa está vazia, apesar de termos mais 2 poodles.. é muita saudade e tristeza ,sempre achando que ela vai voltar da clínica. Está difícil de acostumar. Tenha a minha solidariedade nestes dias dificeis..e concordo com tudo o que vc diz . A Tetê foi embora sabendo o quanto foi amada e que demos a ela uma sobrevida com carinho e atenção. Bjs. Maria Inês

  6. Sei bem o que sentes e como é essa dor…Já perdi alguns amigos assim…Suas palavras me comoveram muito e lembrei muito da minha Sheydi quando ela partiu.Só quem ama os animais,compreende!Força!!

  7. Há uma semana perdi minha Preta! Também resgatei-a já idosa das ruas! Um anjo em nossa vida! No meu Instagram postei sobre ela! @mundodri Vai lá pra conhecer ! Bjs

  8. Que lindo! Eu sei exatamente como você se sente. Tenho 6 cachorros adotados da rua e todas essas questões que você levantou me causam muita revolta. Os meus chegaram filhotes, adultos ou velhos, traumatizados e violentos ou apavorados e machucados. E foi uma das minhas maiores alegrias ver todos se recuperarem e se tornarem cachorros felizes, mesmo com as sequelas.
    Que atitude rara e linda!
    beijos

  9. Ops, caiu um cisco no meu olho :,)
    Tenho certeza de que vocês fizeram a vida dele muito mais feliz. E ele cumpriu a missão dele na terra! Mostrar pra vocês o que é amor e gratidão.
    Parabéns por terem dado um finalzinho de vida digno pra ele s2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *