vida a dois: muita calma nesse domingo

dom

Domingo a tarde. Enquanto meu maior problema do dia é fazer com que o adaptador hdmi do mac funcione, o dele é entender o novo imposto que teremos que pagar na empresa.
Mas é domingo, e eu me recuso a pensar em trabalho em domingos. Não estou preocupada com o novo imposto, ele vai acontecer de uma maneira ou de outra, e por que me preocupar hoje, se amanhã vai ser segunda de qualquer forma?
Enquanto eu conecto e desconecto o cabo no computador, numa esperança infundada de que por algum milagre ele funcione, eu bufo repetidamente e reclamo alto. Já aconteceu outras vezes. Digo, o cabo já funcionou outras vezes. Ainda não dei esse cabo (novo) por perdido. Não tem nem 3 meses.
Estou realmente muito, muito irritada. E começo a pensar em soluções alternativas pra resolver o problema.
Opção 1: Pegar o notebook do escritório, passar o filme pro pendrive e depois pra lá, e usar o hdmi normal pra espelhar pra tv.
Não me parece muito bom. Teria que ir lá fora, subir a escada do escritório, baixar um player no notebook e aturar a lentidão daquele windows.

Opção 2: Pegar o hd externo na gaveta do rack, passar o filme pra lá e usar a entrada USB da tv para rodar.
Parece um plano muito bom, e eu não teria que ir lá fora nem subir escadas. Fácil.

Mas eu ainda estou reclamando, mesmo já tendo um bom plano.
– Que bosta! – eu grito – Nada funciona nessa casa!
Ele continua scrollando no iPad como se fosse imune ao meu mau humor.

Eu levanto e pego o hd externo na gaveta, conecto no notebook e transfiro o filme pra lá.
Foi mais rápido do que eu imaginei, mas ainda estou preocupada com a possibilidade da legenda não funcionar na tv. Tenho quase certeza de que não vai, nunca tentei antes, mas sei que quando se trata de tecnologia, se existe uma chance de dar errado, vai dar.
Levanto de novo e procuro a entrada USB na tv da sala. Essa tv é nova e eu nunca usei o USB dela, então fico procurando por cerca de dois minutos, andando de um lado pro outro e tentando mover a tv mais pra frente, sem sucesso, por causa do suporte que prende ela na parede.
Eu bufo alto mais uma vez.
– Puta que pariu!
Ele permanece imóvel scrollando no iPad. Penso que essa merda desse imposto deve custar um rim por mês, já que ele parece tão mais preocupado com ele do que com o novo filme do Leonardo Dicaprio que eu demorei séculos pra encontrar um bom torrent.
Nada da entrada USB.
Eu dou um chilique escroto e grito “Desisto! Foda-se!” enquanto jogo o hd externo no sofá, junto com todo o meu mau humor.
Ele levanta e vai até a cozinha. Eu continuo com a cara amarrada.
Eu já tinha um novo plano: a tv do quarto, onde eu sabia que o USB era acessível.
Mas permaneci no sofá por mais alguns minutos esperando que ele falasse alguma coisa.
Ele não disse, então eu fui pro quarto e conectei o hd na tv.
Por algum motivo eu queria puni-lo por não ter se movimentado em nenhum momento pra me ajudar a resolver o maior problema do mundo. Ele é bom com essas coisas de cabo, poxa! Sempre remenda meus cabos do iPhone e é realmente bom em consertar coisas.
Eu só queria que ele levantasse a bunda do sofá e pelo menos sentasse do meu lado enquanto eu tirava e colocava a droga do cabo do computador. Sei lá. Queria que ele simplesmente se indignasse junto comigo. Ficasse puto junto comigo. Sei lá.
O filme começou a funcionar na tv do quarto. A legenda deu certo também. Nem acreditei.
Eu pensei em comemorar e gritar pra ele “Oba! Funcionou! Vem, amor!”, mas lembrei que eu queria puni-lo.
Fui até a sala e falei com o mesmo mau humor: “Funcionou, vem.”
E aí ele ficou puto.
– Tá puta por que?
Me indignei com o fato dele precisar perguntar.
– Tô ali tentando fazer essa merda funcionar há uma hora e você nem pra levantar e me ajudar!
– E você queria que eu fizesse o que, se o cabo tá estragado? Por que você não comprou outro quando fomos comprar seu cabo novo pro iPhone?
– Porque ele não estava oficialmente estragado!
Estava. Na semana passada precisamos terminar de assistir a última temporada de Walking Dead direto no Notebook. Lembrei.
– Só queria que você tentasse, ué!
– Tentasse o que? Fazer um milagre?
Aí ele ficou nervoso e disse “Olha só no que você transformou o dia”. Odeio quando ele diz isso. Muitas vezes é verdade.
Eu dei as costas e comecei a andar na direção do quarto. Mas hoje está um pouco frio e eu não queria assistir o filme sozinha.
Enquanto ele continuava falando sobre como o meu mau humor estava estragando o dia, a ficha caiu.
Eu virei e perguntei:
– Tá, e o que você quer que eu faça, então?
– Peça desculpa.
Eu pedi. Ele disse que eu não estava sendo sincera, e não estava mesmo.
Odeio pedir desculpas. Nunca é sincero.
Mas mesmo assim ele fez charminho e me abraçou enquanto eu me fazia de difícil, pedindo as desculpas mais mentirosas do mundo.
Aí ele me beijou e riu. Assistimos ao filme e conseguimos concordar com algo muito importante no final:
O Leo não merece um Oscar por esse filme. Mas bem que ele podia ganhar mesmo assim.

manu22

Comentários

comentários

13 comentários sobre “vida a dois: muita calma nesse domingo

  1. Não é mole não, no final tudo acaba em amor, isto é o que importa.
    Trabalhar a paciência é algo necessário, porém um tanto difícil, uma ajuda nunca é demais. Bjs, amo voces!

  2. Nossa! amei muito esse post, adoro a leveza com que vc conseguiu contar uma história tão simples ma ao mesmo tempo cheia de significado! Me identifiquei muito!
    Escreva mais!!!! 🙂

    1. Oi Carlinha!
      Que bom que se identificou, assim eu fico mais tranquila, afinal não acontece só comigo, né? heheheh!
      Volte sempre! Em breve teremos mais posts assim por aqui!
      Beijo!

  3. Manuuuuu você escreve maravilhosamente bem! Amei esse formato de crônica, pode postar sempre que vou amar S2
    Vocês são dois lindos…muito amor na vida pra vcs!
    beijoo

    1. Oi Juuuu, obrigada, linda!
      Fiquei muito feliz em saber que curtiu esse tipo de post, faremos mais, com certeza!
      Beijo!

    1. Oi Renilda!
      Oba! Que bom que curtiu! Ficamos felizes sem saber!
      Fica de olho que logo logo tem mais! 🙂
      Muito obrigada por vir nos contar que curtiu!
      Beijo!

  4. Quando li esse post vi o meu relacionamento estampado nele. Sou do tipo controladora/dramática que acha o cumulo um cabo não funcionar e o meu namorado é do tipo que parece que se diverte com a minha fúria e na maioria das vezes acabamos discutindo mesmo que depois de alguns minutos façamos as pazes. Que bom saber que não somos o único casal do mundo assim
    Agora, uma dúvida: qual foi o filme que vocês assistiram?

    1. Oi Raíne!
      Ufa! Bom saber que por aí as coisas também são meio assim, pelo menos a gente sabe que não é só com a gente, né? hehe!
      Vc disse tudo, às vezes acho que o Igor também se diverte com a minha fúria! Bem definido! haha!
      Ah! O filme é O Regresso, o filme novo do Leo que tá concorrendo ao Oscar em 12 categorias! Curtimos o filme, é bem legal mas não é nada muito OOOOOH que maravilha! Mas vale a pena 😉
      Beijo e obrigada pela visita!

  5. Achei que só acontecesse comigo.
    Tento culpar meu parceiro quando a coisa vai mal, mas acabo me culpando por querer culpa-lo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *