A obra: Evolução da Área Externa

o000

O aniversário da Obra tá chegando, e só de pensar em tudo que passamos pra chegar até aqui, fico logo nostálgica. E louca. Chega a escorrer uma lágriminha no canto dos olhos. Sério. Não foi fácil. Não se enganem pelas fotos bacanas, pelos lustres bonitos, pelos azulejos coloridos.
Sério.
Não foi nada fácil. Mas isso fica pra um outro post. Porque esse foi feito especialmente para a área mais gostosa da casa: o quintal!
Um dos maiores motivos pelo qual eu quis morar em uma casa foi porque me sentia claustrofóbica dentro de um apartamento. Não que eu use o quintal sempre, faça piqueniques ou corra em círculos treinando pra mataronas. Mas, só de saber que ele está ali, pra quando eu quiser, já me deixa mais feliz.
Fora que eu amo animais, e mesmo antes da Lola aparecer na nossa vida, nós já tínhamos planos de ter cães (fora os nossos 3 gatos), e dar a eles um espaço grande e bacana me parecia a única forma de tê-los.
Continue lendo o post:

Ah, claro…E tem a piscina. A gente mora no Rio de Janeiro, blá blá blá, e a gente ama piscina. E privacidade. Por isso, dividir piscina de condomínio com desconhecidos e não poder receber nossos amigos pra fazer uma social parecia meio…chato.
E já ia me esquecendo…Tinha também o desejo da churrasqueira.
Vocês não devem saber, mas o Igor é conhecido por ser um exímio churrasqueiro. Ele tem habilidade, e seus churrascos são famosos e muito apreciados em nosso círculo social. Churrasqueira era necessidade.

Primeiramente, o plano era colocar grama no quintal inteiro. Porque grama é lindo, é natureza, é poético e tudo mais. MAS, dá trabalho, né? E trabalho é o que não falta na nossa vida, e eu não sou exatamente a melhor dona de casa do mundo, então, quanto menos afazeres melhor. Mas a decisão foi tomada depois de descobrirmos a dificuldade de conservar a grama sem deixar que virasse um criadouro de pulgas e carrapatos.
Fato importante: Sou completamente NEURÓTICA com esse tipo de parasita do inferno. Tenho pavor. Pânico. Acho que é trauma, porque quando pegamos a Lola na rua, ela estava quase morta com doença do carrapato. Então…Nah, deixa a grama pra lá. Um bom piso vai servir.
E serviu. Quer dizer, mais ou menos. Encontrar os pisos perfeitos para a área externa foi uma das missões mais difíceis e frustrantes dessa obra. E mesmo assim, não foi exatamente bem sucedida.

A saga dos pisos:
o7
Depois de uma busca incansável, nós, obreiros de primeira viagem, acabamos escolhendo um mesmo tipo de piso para o chão do quintal, o chão da varanda e o revestimento da parede da piscina. Todos iguais, só mudava a estampa.
Mas só teve um pequeno problema, que sabe-se lá Deus por que, nós não percebemos no momento da compra (ou percebemos e ignoramos): eram completamente escorregadios quando molhados.
Sim, nós tínhamos pesquisado antes e sabíamos que precisávamos de um piso antiderrapante, PI4 ou 5, e tudo mais. Mas, sabe aqueles momentos que você não sabe explicar como exatamente aconteceram?
Não foi um deles. Eu sei explicar exatamente: Eram 11:10 da noite, estávamos azuis de fome e a praça de alimentação do shopping fechava às 11:30. E o Francisco, que estava nos atendendo, era extremamente devagar.
Foi isso. Nada mais.
Por fim: Piso. Piscina. Escorregadio. Ok. Lógico que depois que os 280m² de piso chegaram, e nós descobrimos a besteira, entramos em pânico.
Não dava mais pra trocar, porque já tinha passado do prazo, não dava pra vender, porque afinal, quem ia comprar quase 300m² de piso?

Ok, respira. Acalma. Nosso lema diante de qualquer dificuldade sempre é: “Relaxa, com certeza já existiu alguém com o mesmo problema que você e que já conseguiu uma solução”. Just Google it.
E assim foi. Olha, preciso fazer uma pausa para uma breve reflexão: Como é que nossos avós faziam obra sem o Google? Reflitamos.
Agora a pausa para o agradecimento: Obrigada, Deus, pela tecnologia.
E não é que conseguimos a solução pro nosso problema do piso escorregadio?
Sim, e em breve faremos um post especial contando tudo sobre o produto milagroso que encontramos, compramos, testamos, e que FUNCIONOU de verdade, deixando nosso piso escorregadio completamente seguro e a prova de bêbados molhados. Vai dar certo.
Vai ser caro, isso é fato. Mas vai dar certo. Menos um problema e mais um dígito na fatura do cartão de crédito. Faz parte.
Portanto, atenção redobrada na compra dos pisos, ok? Não cometa o mesmo erro. E vá sempre alimentado quando for comprar material de construção.
Pisos: 280m² – R$6.440 (só material)

Revestimento do Deck:
o9
Uma das minhas partes favoritas da obra até agora. Esse porcelanato que escolhemos, que imita madeira até na textura, é maravilhoso! Depois de rejuntar, vai ficar quase imperceptível, e esse sim, é texturizado e antiderrapante! Ponto pra nós!
Porcelanato: 20m² – R$840

A Piscina:
Como já contamos em um post anterior, a piscina foi presente do meu pai. Porque, logicamente, depois de uma obra desse tamanho não teríamos como pagar por uma tão cedo.
Depois que o contra-piso do deck ficou pronto, passamos a ir praticamente todo final de semana à obra fazer um test drive. Usufruir, sabe? Usamos a piscina, a churrasqueira, o quintal e tudo mais. Foi com esses test drives que descobrimos que o piso escorregava, que precisaríamos de uma geladeira ao lado do forno, que a porta do banheiro da piscina precisaria abrir pra fora e não pra dentro…Enfim, vários detalhes que se descobríssemos somente depois de tudo pronto, seria mais complicado mudar.
Se você está em obra, recomendamos: Faça test drives!
Piscina: iGui – R$12.900 (material + mão de obra)

A Churrasqueira:o4
A churrasqueira era uma necessidade, diante do talento inegável do Igor. Porém, pesquisamos muito e tudo era caro demais. Queríamos com o forno a lenha, e os preços iam além de R$3.000.
Não somos muito de pesquisar preço, confesso. Não temos muito tempo nem paciência.
Certamente vocês devem ter percebido isso depois da trágica história dos pisos.
Com certeza esse foi mais um dos erros que cometemos nessa obra. Deveriamos ter pesquisado mais, economizado mais…Mas, no começo não foi bem assim.
Com a churrasqueira foi diferente. Deve ter sido porque foi agora no final, quando já não temos mais de onde tirar dinheiro, e por isso ou pesquisávamos ou não teríamos a tão sonhada churrasqueira própria.
Até que Igor encontrou um anúncio no Bom Negócio, e fechamos a churrasqueira.
Churrasqueira com forno: R$1.700 (material + mão de obra)

Varanda com telhado colonial:
o10
A varandinha simplesmente precisava existir. E foi com muita tristeza que descobrimos que madeiras e telhas custam caro demais. Quem podia imaginar?
Varanda: aproximadamente R$6.000 (só material)

Vamos à parte divertida? Antes e depois! Oba!

o00
o2

o1

o3

o12

o8

manu

 

Comentários

comentários

7 comentários sobre “A obra: Evolução da Área Externa

  1. Oii Manu, sua área externa está linda. Parabéns!
    Mais como toda obra, é cansativo e dá trabalho, mais depois é compensador.
    Fiquei desesperada por você só em ler sobre os 300m² de piso, eu teria surtado. hahaha
    Graças a Deus que vocês encontraram uma solução, que já estou curiosa pra saber..
    Beijos

    1. Oi Livia! 🙂
      Nem fala! A vontade que deu foi de chorar, mas graças a deus antes disso conseguimos encontrar a solução!
      É um produto muito bacana que altera o piso de forma definitiva, criando microventosas, o que torna o piso realmente antiderrapante!
      Depois que usarmos no quintal, faremos um post mostrando tudo 🙂
      Obrigada pela visita, viu?
      Beijo!

  2. Nossa, to passando por isso. To fazendo umas mudanças na minha casa e tava nesse impasse: grama, pedra, concreto… e os sonho da piscina e churrasqueira. Anotando ja várias dicas. Ta linda a área externa de vcs. Bem parecida com o que quero. Próximo més começaremos a cobertura da varanda. Adorei o blog, achei a ideia muito massa.
    Bjao

    1. Oi Mag! Obrigada pela visita! 🙂
      Poxa, que legal saber que está passando pela mesma fase que a gente! Dá trabalho mas no fim compensa (pelo menos é o que todo mundo diz, tô acrediitando! hehe).
      Boa sorte com a área externa de vcs! Se pudermos ajudar em algo, é só falar 😉
      Beijos!

  3. OI Manu,
    Vc fez o post sobre a avaliação deste procedimento de “antiderrapar” o piso? rs
    Tô querendo fazer isso na minha varanda, mas queria saber se isso permanece bom com o passar dos dias. Você contratou alguém para aplicar prá vc? Que profissional que faria isso?
    Abraços e parabéns por essa casa tão linda.

  4. Oi Manu, tenho uma história muito parecida com a sua, estou reformando a casa que foi dos meus pais e que eu morei a minha vida toda para morar com a minha família 🙂

    Se vc puder gostaria de apenas uma dica sobre o quintal, pelas fotos parece que o quintal já tinha piso e vcs trocaram, certo? Vcs fizeram piso sobre piso, ou tiveram que tirar o antigo? Pergunto porque o quintal de casa tem áreas com piso de pedra e outras partes com grama, estou pensando se vamos ter que tirar o piso de pedra e fazer algum tipo de contra-piso antes de colocar o definitivo…
    Beijos!

    Aline

    1. Oi Aline! 🙂 Que legal, reformar a casa da nossa infância pra viver nossa vida é muito especial né? Adorei saber que com vc também aconteceu isso! <3
      Então, sobre o quintal, tínhamos ardósia nele todo... Mas precisamos quebrar tuuuudo mesmo, refazer o contra-piso e só depois colocar o novo piso...No seu caso acho que o ideal seria mesmo tirar as pedras e fazer o contra-piso, para igualar tudo e o piso ficar certinho! 🙂
      Boa sorte! Depois conta pra gente como ficou sua casinha 🙂
      Beijos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *