Parabéns, querida Obra. Parabéns pra você.

aniver
“Começou! Tem obra aqui pra uns 6 meses!”, foi minha primeira manifestação sobre a nossa Obra, que acabava de começar no dia 10 de fevereiro de 2014.
E eu me lembro de estar sendo generosa com o prazo, porque o combinado era que durasse ainda menos. Mas por algum motivo eu resolvi dramatizar. De qualquer forma, nem 6 nem menos. Simplesmente 12, e prestes a finalizar nos 13, se tudo der certo e eu não precisar fazer mais um post desse no ano que vem.

Há exatamente um ano, a pergunta que mais ouvimos deixou de ser aquele corriqueiro “e aí, tudo bem?”, e passou a ser um doloroso “e a obra, tudo bem?”.
E faz tanto tempo que eu chamo a nossa nova casa de Obra, que tenho medo de manter o hábito mesmo depois dela pronta.
“Vem aqui pra Obra tomar um banho de piscina, gente”, ou “Sim, filha, você pode ir à festa da Fernandinha, mas volta cedo pra Obra!”. Sei lá, acho até meio carinhoso.

Em outubro de 2014 nos mudamos da casa alugada em que vivíamos para morar com a minha mãe, a fim de economizar a grana do aluguel para usar na obra da casa nova.
Viver juntos em um quarto/ varanda durante um ano e 4 meses foi um verdadeira desafio. Menos difícil do que eu pensava, confesso. Mas ainda assim bastante complicado. Aqui, o sofá e a cama ficam a 3 metros de distância um do outro, e é impossível ficar sozinho. O Igor, nem tanto. Mas eu sempre fui uma pessoa meio solitária, sempre gostei da minha própria companhia e aprecio muito atividades mais solos, como ler um livro, escrever ou simplesmente fazer nada.
Aqui não dá. E assim: Nós moramos juntos, trabalhamos juntos, almoçamos juntos, fazemos tudo juntos. E quando eu digo Juntos, me refiro não só a nós dois, mas como também aos 3 gatos e um cachorro que vivem conosco. Tudo no mesmo quarto.
Ou seja, foi um ano inteiro de muito pouca – ou quase nenhuma – privacidade.

Muita gente fica surpresa quando dizemos que estamos com o mesmo pedreiro que começou a obra, há um ano atrás.
Foi um pouco difícil conseguir a mão de obra, demorou cerca de 4 meses para encontrarmos alguém disposto a topar o desafio. Fizemos alguns orçamentos com empreiteiras, mas tudo era muito caro e complicado. Já estávamos desanimados quando o Amilton apareceu na nossa vida. Eu o conheço desde pequena, ele é um bom e velho amigo do meu pai, e milagrosamente apareceu disponível perguntando se minha mãe estava precisando de algum serviço. E a mágica aconteceu. Ele veio num dia, fez um orçamento justo e na mesma hora fechamos. Em dois dias, ele contratou alguns ajudantes e a obra começou.
De lá pra cá, muita coisa mudou. Saímos do planejado várias vezes. Resolvemos colocar porcelanato no lugar de cerâmica, resolvemos rebaixar o teto, decidimos construir mais um andar no escritório, colocamos uma piscina, mudamos de ideia sobre a grama no quintal inteiro. Tudo isso fez com que a obra se estendesse mais do que o planejado, e nem diante de toda essa loucura o mestre Amilton nos abandonou. Ele esteve lá, firme e forte até o fim.
E o melhor de tudo: Ele além de pedreiro também é eletricista, encanador, gesseiro, marceneiro, serralheiro e mais um mote de coisa legal. Isso nos poupou muito trabalho e paciência, já que não precisávamos catar um profissional para cara coisa.
Muitos ajudantes e outros pedreiros contratados por ele passaram pela Obra nesse meio tempo, e diante da dificuldade em conseguir mão de obra qualificada para acelerar a obra, muitas vezes era só o Amilton e seus ajudantes. Firmes e fortes!
Tudo deu muito trabalho. Descobrimos que reformar uma casa antiga pode ser muito mais trabalhoso e caro do que construir uma do zero. Nos deparamos com paredes tortas, pisos desnivelados, elétrica errada, e muitas coisas mais que nos convenceram de, em uma próxima obra, jogar tudo no chão e construir de novo!

Chegamos ao fim dessa Obra quase falidos, depois de vários empréstimos e uma dívida eterna nos cartões de crédito, provavelmente teremos uma casa enorme e vazia, sem móveis novos e reaproveitando ao máximo tudo que já temos. Mas cheia do que é mais importante nessa vida: muito amor, família e felicidade. Isso a gente tem de sobra.

Por fim, nosso eterno agradecimento aos meus pais, que tornaram toda essa brincadeira de casinha possível. Obrigada primeiramente pelo maior presente que vocês poderiam me dar, a casa que eu tanto amo e onde eu passei os melhores momentos da minha vida. Agora, é onde vou viver mais muitos momentos lindos, e onde estarei sempre pertinho de vocês.
Obrigada também por toda a ajuda quando o desespero começava a bater. Vocês sempre foram e sempre serão meus super heróis. Sempre salvando o dia.
Agradeço também aos meus avós, que nos ajudaram e torceram tanto por nós nessa Obra. Meu avô, que acompanhou de perto e vibrou a cada conquista nossa, a cada parede levantada, a cada piso colocado…Ele adorava visitar a nossa Obra e ver as novidades toda semana. E a única tristeza que levo dessa fase é que ele não vai estar aqui para ver tudo pronto. Infelizmente, ele se foi e deixou uma saudade sem fim. Mas sempre que vejo alguma etapa nova pronta, me lembro dele e desejo com todas as forças que ele possa ver, de onde quer que esteja, e possa continuar vibrando por nós.
Amo vocês.

Que fique registrado aqui também o nosso agradecimento a todos que colaboraram de alguma forma com a nossa Casa. Pedreiros, ajudantes, amigos. Somos muito gratos por cada um de vocês terem participado dessa saga com a gente. Mesmo que às vezes a gente possa parecer meio louco com as nossas portas coloridas ou com os lustres esquisitos. Nós somos legais!

E vamo que vamo, que agora falta pouco!
Na contagem regressiva.

insta
manu

Comentários

comentários

3 comentários sobre “Parabéns, querida Obra. Parabéns pra você.

  1. O que realmente faz valer a pena minha princesa, e meu genro querido, é tudo que voces aprenderam, sacrifício, o teste de paciência, tolerância, respeito, e a persistência. Nunca desista de um sonho, só porque vai dar trabalho, os obstáculos é que fazem valer a pena.
    Voces merecem, e com certeza vão ser muito felizes no lar doce lar de voces. Tudo está muito lindo, assim como voces. Amo voces, bjs.

  2. Oii Manu, nunca passei por uma obra grande assim, mais confesso que lendo cada detalhe é como se passasse um filme sabe? E o melhor, vocês sobreviveram a tudo. Porque dividir um quarto, com marido, cachorro e gato, não deve ser nada fácil.
    Que bom que agora é contagem regressiva.
    Ansiosa para ver a casa de vocês pronta.
    Beijos

  3. Oi vcs são vencedores,minha situação é bem parecida mas estou construindo a quase três anos mta luta mas tbm estou na contagem para acabar,parabéns pela persistência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *